advogados do grupo cereja

Concurso AGU - Novidades e tudo que voce precisa saber

Concurso AGU - Novidades e tudo que voce precisa saber

A notícia de que o próximo concurso AGU irá ofertar 300 vagas agitou o mundo dos concursos nos últimos meses! O Grupo Cereja tem uma certeza: os concursos para a AGU (Advogado da União), PFN (Procurador da Fazenda Nacional) e PGF (Procurador Federal) vão acontecer!

Os últimos editais para os cargos mencionados foram publicados nos anos 2013 e 2015. Logo, ambos não possuem mais validade para convocação de aprovados. O histórico de atos já praticados até agora indica que o edital sairá ainda no primeiro semestre com a oferta de 300 vagas. Contudo, não podemos garantir quando isso acontecerá, é claro.

Navegue pelo índice abaixo e confira os detalhes do concurso AGU:

  1. Situação atual
  2. Remuneração e benefícios
  3. Carreira
  4. Último concurso
  5. Resumo do Concurso
  6. Como se preparar para o concurso da AGU

Concurso AGU: situação atual

Histórico do concurso

29/10/2021 – Relação de vagas previstas
27/10/2021 – Portaria normativa publicada
16/07/2021 – Alteração nos requisitos
17/11/2020 – Comissão técnica aprova concurso público
6/08/2020 – Publicação de boletim de pessoal

 

Relação de vagas (AGU, PFN e PGF)

A informação veiculada é de que serão ofertadas vagas para Advogado da União, Procurador Federal e Procurador da Fazenda Nacional. O processo de escolha da banca organizadora será iniciado em breve.

 

Portaria normativa

Foi publicado no Diário Oficial da União no dia 27 de outubro de 2021 uma portaria que altera critérios disciplinadores dos concursos públicos de provas e títulos destinados ao provimento de cargos de Procurador Federal de 2ª Categoria.

O documento trata dos títulos admitidos para realização do certame e sobre a Instrução Normativa nº 1 que trata da prática forense. Veja o documento na íntegra.

 

Alteração de critério disciplinador

Foi publicado no Diário Oficial da União em 16 de julho de 2021, a Resolução 6/2021, que altera os critérios disciplinadores dos concursos públicos de provas e títulos destinados ao provimento de cargos de Advogado da União e de Procurador da Fazenda Nacional de 2ª Categoria. Segundo o texto, “é vedada, para efeito de comprovação de prática forense, a contagem de qualquer atividade anterior à obtenção do grau de bacharel em Direito”.

 

Comissão técnica aprova novo concurso

A comissão técnica da CSAGU aprovou o provimento de 100 vagas na Advocacia-Geral da União. A informação foi confirmada no perfil do Twitter do Procurador da Fazenda Nacional, Jurandi Ferreira, em novembro de 2020.

Concurso AGU: remuneração e benefícios

Confira abaixo as remunerações e benefícios ofertados pela AGU para as carreiras existentes no Órgão:

Advogado da União

  • Especial: R$ 27.303,70
  • Primeira: R$ 24.146,60
  • Segunda: R$ 21.014,49

Procurador da Fazenda Nacional

  • Especial: R$ 27.303,70
  • Primeira: R$ 24.146,60
  • Segunda: R$ 21.014,49

Procurador Federal

  • Especial: R$ 27.303,70
  • Primeira: R$ 24,146,60
  • Segunda: R$ 21.014,49

Demais cargos de nível superior

O salário ofertado para os cargos de Administrador, Analista Técnico-Administrativo, Arquivista, Bibliotecário, Contador, Técnico em Assuntos Educacionais e Técnico em Comunicação Social da Advocacia-Geral da União é de R$ 6.203,34, composto de:

  • Vencimento básico no valor de R$ 2.220,09;
  • Gratificação de Desempenho de Atividade de Apoio Técnico-Administrativo – GDAA, cujo valor inicial corresponde a 80 pontos, que é de R$ 3.128,00;
  • Gratificação Específica de Apoio Técnico-Administrativo – GEATA, no valor fixo de R$ 855,25.

Além disso, são pagos ainda a título de benefícios auxílio-alimentação, auxílio-transporte, plano de saúde, auxílio pré-escolar, auxílio funeral e auxílio natalidade.

 

Concurso AGU: cargos e vagas

O próximo concurso AGU, tem previsão de ofertar 300 vagas para os cargos de Advogado da União, Procurador Federal e Procurador da Fazenda Nacional.

A divisão das vagas será da seguinte maneira:

  • 100 vagas para Advogado da União,
  • 100 vagas para Procurador Federal,
  • 100 vagas para Procurador da Fazenda Nacional.

Para saber mais detalhes sobre a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, clique aqui.

 

Cargos vagos

De acordo com o balanço de setembro de 2021, o número de cargos vagos são:

  • Procurador da Fazenda Nacional: 303
  • Advogado da União: 687
  • Procurador Federal Cargo – 408001: 648
  • Procurador Federal Cargo – 408002: 42

Concurso AGU: carreira

Abaixo, os requisitos, atribuições e jornada de trabalho de cada cargo da Advocacia-Geral da União:

Advogado da União

Requisitos: Diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de nível superior em Direito, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação, e registro de inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil.

Atribuições: Ao cargo de Advogado da União correspondem as atribuições que lhe prevê o artigo 131 da Constituição Federal e o artigo 21 da Lei nº 9.028, de 12 de abril de 1995, com a redação dada pela Medida Provisória nº 2.180-35, de 24 de agosto de 2001, de representação judicial e extrajudicial da União, e o assessoramento jurídico dos órgãos da Administração Federal Direta do Poder Executivo.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Procurador Federal

Requisitos: Diploma, devidamente registrado, de bacharel em Direito, fornecido por instituição de ensino superior credenciada e reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC), inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e comprovação de, no mínimo, dois anos de prática forense.

Atribuições: Ao cargo de Procurador Federal correspondem as atribuições que lhe prevê a legislação, em especial as de que trata o artigo 37 da Medida Provisória nº 2.229-43, de 6 de setembro de 2001, quais sejam:

  1. A representação judicial e extrajudicial da União, quanto às suas atividades descentralizadas a cargo de autarquias e fundações públicas, bem como a representação judicial e extrajudicial dessas entidades;
  2. As atividades de consultoria e assessoramento jurídicos à União, em suas referidas atividades descentralizadas, assim como às autarquias e às fundações federais;
  3. A apuração da liquidez e certeza dos créditos, de qualquer natureza, inerentes às suas atividades, inscrevendo-os em dívida ativa, para fins de cobrança amigável ou judicial;
  4. A atividade de assistir a autoridade assessorada no controle interno da legalidade dos atos a serem por ela praticados ou já efetivados.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Administrador

Requisitos: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de nível superior em Administração, fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC), e registro no Conselho Regional de Administração – CRA.

Atribuições: atividades relacionadas com supervisão, programação, coordenação ou execução especializada, em grau de maior complexidade, referentes a estudos, pesquisas, análises e projetos a respeito de administração de pessoal, material, orçamento, organização e métodos.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Analista Técnico-Administrativo

Requisitos: diploma, devidamente registrado no Ministério da Educação, de conclusão curso de graduação de nível superior, fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Atribuições:

  1. realizar atividades que envolvam a administração de pessoas, de processos, de recursos materiais e patrimoniais, de licitações e contratos, orçamento, finanças, contabilidade e auditoria;
  2. planejar, desenvolver, executar, acompanhar e avaliar planos, programas e projetos, inclusive voltados à modernização e à qualidade;
  3. realizar pesquisas e o processamento de informações;
  4. elaborar despachos, pareceres, informações, relatórios, certidões, declarações, ofícios, dentre outros;
  5. realizar trabalhos que exijam conhecimentos de informática;
  6. operar equipamentos disponíveis e os sistemas e recursos informatizados na execução de suas atividades;
  7. outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade da função que venham a ser determinadas pela autoridade superior.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Arquivista

Requisitos: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de nível superior em Arquivologia, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Atribuições:

  1. realizar atividades voltadas ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo;
  2. planejar, orientar e acompanhar o processo documental e informativo;
  3. planejar, orientar e direcionar as atividades de identificação das espécies documentais e participação no planejamento de novos documentos e controle de multicópias;
  4. planejar, organizar e direcionar serviços ou centro de documentação e informação constituídos de acervos arquivísticos e mistos;
  5. planejar, organizar e direcionar serviços de microfilmagem aplicada aos arquivos;
  6. orientar o planejamento da automação aplicada aos arquivos;
  7. orientar a classificação, arranjo e descrição de documentos;
  8. orientar a avaliação e seleção de documentos, para fins de preservação;
  9. promover medidas necessárias a conservação de documentos;
  10. elaborar pareceres e trabalhos de complexidade sobre assuntos arquivísticos;
  11. assessorar os trabalhos de pesquisa cientifica ou técnico-administrativa;
  12. desenvolver estudos sobre documentos culturalmente importantes.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Bibliotecário

Requisitos: diploma, devidamente registrado no Ministério da Educação, de conclusão de curso de graduação de nível superior em Biblioteconomia, fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC), e registro no órgão de classe competente.

Atribuições:

  1. planejar, implementar, coordenar, controlar e dirigir sistemas biblioteconômicos e/ou de informação e de unidades de serviços afins;
  2. organizar os serviços de documentação;
  3. executar serviços de classificação e catalogação de manuscritos e de livros, de mapotecas, de publicações oficiais e seriadas, de bibliografia e referência;
  4. realizar projetos relativos à estrutura de normalização da coleta, do tratamento e da recuperação e da disseminação das informações documentais em qualquer suporte;
  5. realizar estudos administrativos para o dimensionamento de equipamentos, recursos humanos e layout das unidades da área biblioteconômica e/ou de informação;
  6. estruturar e efetivar a normalização e padronização dos serviços técnicos de tratamento da informação fixando índices de eficiência, produtividade e eficácia nas áreas operacionais da biblioteconomia e/ou ciência da informação;
  7. estabelecer, coordenar e executar a política de seleção e aferição do material integrante das coleções de acervo, programando as prioridades de aquisição dos bens patrimoniais para a operacionalização dos serviços;
  8. estruturar e executar a busca de dados e a pesquisa documental;
  9. outras atividades de mesma natureza e grau de complexidade da função que venham a ser determinadas pela autoridade superior.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Contador

Requisitos: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de nível superior em Ciências Contábeis, fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC), e registro no Conselho Regional de Contabilidade – CRC.

Atribuições: desempenho de atividades relacionadas com supervisão, coordenação ou execução, em grau de maior complexidade, relativas à contabilidade e à administração financeira e patrimonial, empreendendo balancetes, balanços, registros e demonstrações contábeis.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Técnico em Assuntos Educacionais

Requisitos: diploma, devidamente registrado, de conclusão de curso de graduação de nível superior em qualquer área, fornecido por instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Atribuições: realizar atividades de supervisão, coordenação, programação ou execução especializada, em grau de maior complexidade, referentes a trabalhos de pesquisa e estudos pedagógicos, visando a solução dos problemas de educação, bem como de orientação e técnicas educacionais, administração escolar e educação sanitária.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

 

Técnico em Comunicação Social

Requisitos: diploma, devidamente registrado no Ministério da Educação, de curso de graduação de nível superior em Comunicação Social/Jornalismo, fornecido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Atribuições:

  1. realizar atividades que envolvam a coleta, produção, revisão e edição de notícias voltadas à divulgação oficial da competência constitucional da Advocacia-Geral da União em matérias de seu interesse, por meio da imprensa escrita, falada e televisionada, com a aplicação de técnicas de redação jornalística;
  2. prestar assessoramento em atividades específicas de jornalismo e de assessoria de imprensa;
  3. analisar mídias divulgadas a respeito da Instituição, interpretando e avaliando a cobertura jornalística;
  4. propor editorial adequado à missão, à visão e aos valores institucionais; usar, de maneira eficaz, os recursos de rádio, TV, endereços eletrônicos e outros meios de divulgação e de comunicação;
  5. desenvolver o planejamento estratégico de comunicação institucional;
  6. propor novos canais de comunicação com os diversos públicos da instituição, quando necessário, e o aperfeiçoamento dos já existentes;
  7. identificar e analisar as necessidades institucionais quanto à criação de identidades visuais e de campanhas; entre outras.

Jornada de Trabalho: 40 horas semanais.

Último Concurso AGU

Advogado da União

O último edital para o cargo de Advogado da União foi publicado em 2015. À época foram ofertados 84 vagas, acrescidas das que vierem a ser criadas durante o prazo de validade do concurso. A remuneração foi de R$ 17.330,33. Os candidatos foram avaliados por meio das seguintes etapas:

  • Prova Objetiva
  • Prova Discursiva
  • Prova Oral
  • Sindicância de Vida Pregressa
  • Avaliação de Títulos

Prova Objetiva

A prova objetiva foi dividida em três grupos:

Grupo I: 90 questões

  • Direito Administrativo
  • Direito Constitucional
  • Direito Financeiro e Econômico
  • Direito Tributário
  • Direito Ambiental

Grupo II: 60 questões

  • Direito Civil
  • Direito Processual Civil
  • Direito Empresarial
  • Direito Internacional Público
  • Direito Internacional Privado

Grupo III: 50 questões

  • Direito Penal e Processual Penal
  • Direito do Trabalho e Processual do Trabalho
  • Direito da Seguridade Social

 

Prova Discursiva

A prova foi dividida em seis etapas. São elas:

  • Parte 1: Parecer abrangendo tema nas áreas de conhecimento do grupo I da prova objetiva;
  • Parte 2: Questões discursivas relacionadas às áreas de conhecimento do grupo I da prova objetiva;
  • Parte 3: Peça judicial abrangendo tema nas áreas de conhecimento dos grupos I e II da prova objetiva;
  • Parte 4: Questões discursivas relacionadas às áreas de conhecimento dos grupos I e II da prova objetiva;
  • Parte 5: Dissertação abrangendo tema nas áreas de conhecimento dos grupos I e III da prova objetiva;
  • Parte 6: Questões discursivas relacionadas às áreas de conhecimento dos grupos I e III da prova objetiva.

Confira o último edital na íntegra clicando aqui.

 

Procurador Federal

O último certame para Procurador Federal foi publicado em 2013. O Cespe foi a banca organizadora do concurso. À época foram ofertadas 78 vagas, distribuídas nas unidades da Procuradoria-Geral Federal e ainda a formação de cadastro de reserva para preenchimento das vagas que surgirem ou vierem a ser criadas durante o prazo de validade do certame.

A remuneração ofertada foi de R$ 15.719,13. Os candidatos foram avaliados por meio de quatro etapas. São elas:

  • Prova Objetiva
  • Prova Discursiva
  • Prova Oral
  • Avaliação de Títulos

Prova Objetiva

A avaliação objetiva foi dividida em dois grupos:

Grupo I: 100 questões

  • Direito Administrativo
  • Direito Constitucional
  • Direito Econômico e Financeiro
  • Direito Tributário
  • Legislação sobre Ensino Legislação sobre Seguridade Social

Grupo II: 100 questões

  • Direito Agrário
  • Direito Ambiental
  • Direito Civil
  • Direito Comercial
  • Direito do Trabalho e Processual do Trabalho
  • Direito Internacional Público
  • Direito Penal e Processual Penal
  • Direito Processual Civil

Confira a íntegra do último edital clicando aqui.

 

Cargos de Nível Superior

O último edital foi publicado em 2018 com ofertas de vagas nas áreas de Administrador, Analista Técnico-Administrativo, Arquivista, Bibliotecário, Contador, Técnico em Assuntos Educacionais e Técnico em Comunicação Social. A remuneração foi de R$ 6.203,34 para todos os cargos. As provas foram aplicadas em janeiro de 2019.

Os candidatos do último concurso AGU foram avaliados por meio de duas provas objetiva e uma discursiva.

 

Prova Objetiva

A prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, teve 60 questões de conhecimentos básicos de língua portuguesa, raciocínio lógico, Noções de informática, conhecimentos gerais e conhecimentos específicos. Os itens das provas objetivas serão do tipo múltipla escolha, com cinco opções (A a E) e uma única resposta correta.

Foi considerado aprovado o candidato que obteve, no mínimo, 50% de aproveitamento dos pontos das provas objetivas de múltipla escolha e que tenha acertado pelo menos uma questão de cada disciplina.

 

Prova Discursiva

Foram aplicadas provas discursivas, de caráter eliminatório e classificatório, a todos os cargos, no mesmo dia de realização das provas objetivas, constituídas de uma dissertação, a respeito de tema constante do conteúdo programático de conhecimentos específicos.

Resumo Concurso AGU

Concurso AGU: Advocacia-Geral da União
Situação atual: previsto para 1º semestre 2022
Banca organizadora: a definir
Cargos: Advogado da União, Procurador Federal e Procurador da Fazenda Nacional
Escolaridade: Nível Superior
Carreira: Jurídica
Lotação: Brasília/DF
Número de vagas: 300 vagas previstas
Remuneração: de R$ 21 mil a R$ 27 mil
Link do edital:

Clique Aqui e faça download do último edital para cargos de nível Superior
Clique aqui e faça download do último edital para Advogado da União
Clique aqui e faça download do último edital para Procurador Federal

Como se preparar para o Concurso AGU

Preparação para as três Carreiras da AGU em um único curso

Nossa proposta é conferir preparação abrangente e direcionada, com mais de 600 horas de aula (clique aqui e confira carga horária), ministradas pelo melhor corpo docente do mercado (clique aqui e confira os professores), versando sobre todas as disciplinas cobradas nos três editais.

A extensa carga horária, dedicada exclusivamente aos concursos de advocacia pública federal, permite aos professores discutir com profundidade os temas cobrados nas três carreiras, conferindo, ao mesmo tempo, sedimentação da base teórica e direcionamento sobre pontos específicos de cada um dos editais.

Na Turma Carreiras AGU voce terá acesso a:

  • Mais de 600 horas de aula
  • Professores Exclusivos do Grupo Cereja
  • Transcrição das aulas em PDF
  • Mentoria com Iuri Quadros, Advogado da União

TURMA CARREIRAS AGU

alunos cereja estudando

Transformando sonhos em metas: a importância do planejamento para a aprovação em concursos públicos

Transformando sonhos em metas: a importância do planejamento para a aprovação em concursos públicos

Passar em um concurso público é o sonho de muitas pessoas. Sem um bom plano, porém, esse sonho, ainda que aliado a muitas horas de estudo, pode nunca passar de um desejo não realizado. É dizer: a vontade e o conhecimento em si – embora fundamentais – não bastam, na maioria das vezes, para a tão sonhada aprovação. O percurso até a posse deve ser encarado, então, como um verdadeiro projeto, montado a partir de estratégias racionais que permitirão alcançar o seu objetivo final.

O planejamento é fundamental para vencer uma das principais dificuldades enfrentadas pelos estudantes: a gestão do tempo. Com efeito, não importa se você tem quinze ou duas horas diárias disponíveis para o estudo; se você trabalha ou não; se você tem filhos ou outras responsabilidades importantes: para todos, o tempo é escasso e, portanto, precisa ser administrado. Às vezes, um estudante com compromissos profissionais e familiares consegue gerir melhor o seu tempo do que outro com muito tempo livre. Aliás, quem nunca ouviu falar que “quanto mais tempo temos, menos dá tempo”?

Para isso, não é preciso comprar planners, canetas coloridas ou etiquetas personalizadas. Você pode até fazê-lo se isso estimular a sua disciplina e organização, mas a administração do seu tempo demanda apenas força de vontade, uma caneta bic e papel (ou um bloco de notas digital).

Em primeiro lugar, elabore uma lista geral de todas as pendências que precisam ser resolvidas na sua vida não relacionadas ao concurso, cuja mera existência acaba interferindo negativamente na sua concentração e no atingimento de suas metas de estudo. Quem nunca interrompeu uma leitura pensando na necessidade de resolver um problema que pipocou na cabeça naquele momento?

Ora, se você sabe de antemão que determinada tarefa já foi devidamente inserida em seu planejamento – ou seja, que ela será, no tempo certo, executada -, automaticamente ela também deixará de ser um fator de inquietação, o que promove tranquilidade mental e prolonga o seu “estado de fluxo” durante os estudos.

Em segundo lugar, um planejamento eficaz requer a confecção de cronogramas, que podem ser divididos em três tipos: anual, mensais e semanais.

Dedique-se a elaborar um cronograma anual, que corresponde a uma lista de metas em relação à aquisição de conhecimento, que devem ser distribuídas em doze meses. As metais anuais dependerão de diversos fatores, como os cargos para os quais se estuda, nível de conhecimento já adquirido, tempo disponível, etc. O mais importante, porém, é conseguir visualizar aonde se pretende chegar e os passos necessários para alcançar o objetivo anual estabelecido.

Por exemplo: sendo você um “concurseiro de primeira viagem”, recomenda-se estabelecer como metas anuais (i) construção de uma base sólida nas principais matérias cobradas no seu “concurso dos sonhos”, determinadas a partir do edital; (ii) aprofundamento de temas relevantes; (iii) elaboração de resumos (que servem como método de retenção do conteúdo estudado e material para revisar); (iv) revisões periódicas e, finalmente, (v) leitura de informativos.

Estabelecidas as metas gerais, distribua-as pelos meses do ano (cronogramas mensais), de modo que você consiga dar conta de todo o conteúdo previamente estabelecido dentro do prazo anual. Assim, você pode reservar os seis primeiros meses para a leitura integral de um curso básico por matéria. Dessa forma, na segunda metade do ano, você poderá se dedicar também ao aprofundamento de temas relevantes, sempre mesclando seus estudos com períodos de elaboração de resumos, revisões periódicas e leitura de jurisprudência.

Os cronogramas semanais são, por certo, os mais relevantes. Reserve meia hora de todos os seus domingos para montá-los, pois, assim, você iniciará a sua semana de forma tranquila e com o foco necessário para alcançar as suas metas.

No seu cronograma semanal, devem ser inseridas TODAS as suas tarefas (relacionadas ou não aos estudos), com dias e horários pré-estabelecidos para a sua realização. Além dos períodos de estudo, estipule uma hora certa para acordar e para dormir, assim como para as suas refeições, intervalos, exercícios físicos, meditação, trabalho, momentos de lazer, realização de tarefas pendentes e prioritárias (que devem ser pinçadas da sua “lista geral de pendências”) e demais atividades presentes em sua rotina.

Em relação aos momentos de estudo em si, cabe delinear previamente quantas horas você se dedicará a cada matéria diariamente, os horários de revisões, leitura de jurisprudência, produção de resumos, etc. Aqui, as técnicas usadas podem variar, não havendo uma única fórmula correta. Mais importante do que se seguir um método específico de estudo (por exemplo: uma matéria por dia, uma matéria por semana, etc.), é seguir o seu planejamento, elaborado a partir de suas necessidades e preferências.

Quando começar? Que tal agora? Com um bom plano, seu sonho se transforma em meta e, com força de vontade e foco, sua meta se transforma em vitória. Aos estudos!

Autor : José Marcos Rodrigues


aluno cereja estudando

Minha estratégia de estudos, e porque ela funcionou

Minha estratégia de estudos, e porque ela funcionou

Por Iuri Quadros – Advogado da União, coordenador e professor do Grupo Cereja

Esse artigo não pretende vender uma fórmula mágica, muito menos se qualificar como único caminho para o sucesso (não tem “colti” por aqui). No entanto, sem dúvidas, é um caminho racional. É o caminho que me levou à aprovação, de forma relativamente célere, sobretudo para quem chegava do escritório e, só então, iniciava sua verdadeira jornada de trabalho.

Em português claro, quando se estuda para concurso, evidentemente, nosso objetivo (ao menos imediato) é acertar questões de prova, em máxima escala. Desse modo, nada mais natural do que pautar sua estratégia geral de estudos pelo conteúdo dessas questões. Vou explicar.

Considerando todos os concursos de advocacia pública, e isso se aplica tanto em relação a certames cuja primeira fase é objetiva, como para concursos que, já na primeira fase, exploram questões subjetivas, há, basicamente, três espécies de questões de prova:

  • Questões fundadas em doutrina/conhecimento sistematizado
  • Questões fundadas em letra de lei
  • Questões fundadas em jurisprudência

Acredite: as questões de concurso são extraídas dessas três fontes. Assim, tudo que você vai encontrar pela frente no dia da sua prova terá origem em um dos três pilares acima citados.

Diante disso, nada mais natural que formar rotina de estudos que abranja, de forma equilibrada, os três aspectos acima. Isso é óbvio? Talvez o conceito pareça óbvio, mas a prática demonstra o contrário.

Reparem que utilizei a expressão “de forma equilibrada”: é aqui que mora o problema. Muitos candidatos (eu comecei assim) iniciam sua trajetória acreditando que a doutrina é o caminho para o sucesso. Compram 3 livros de cada disciplina e passam à leitura incessante de cada um deles. A prova começa, e a primeira questão tem por objeto o informativo divulgado no fim de semana anterior, ou aquele artigo da CRFB/88 dificílimo de decorar (por vezes, será necessário decorar, acostume-se com isso).

Porém, ao mesmo tempo, decorar, por si só, não te levará a lugar algum, simplesmente porque haverá uma infinidade de artigos passíveis de incidência nas questões, somando CRFB/88, CC/02, CPC, CTN, leis esparsas e etc. A tarefa é, portanto, impossível, sem que se proceda à sistematização do conhecimento.

Chegamos, então, à parte em que eu pessoalizo esse texto. Como eu fiz isso, a partir de que momento saí do caminho que não funcionava para mim e passei àquele que funcionava? Quando defini uma ordem lógica a ser seguida, nos moldes descritos abaixo:

1º passo – Confeccionei meu material de base de todas as disciplinas, assisti a aulas dos melhores professores e montei os meus próprios cadernos no computador, escritos com a minha linguagem e passíveis de atualização. Além disso, transcrevia no próprio caderno os dispositivos de lei citados. Percebam que, aqui, de uma só vez, eu unia estudo sistematizado de qualidade e letra de lei, porque lia os artigos já transcritos a cada vez que revisava meus cadernos.
2º passo – Construída a base, passei a decorar com mais facilidade os dispositivos de lei seca, simplesmente porque passei a compreender o conteúdo da maior parte deles. Diante disso, dividia os diplomas legais semanalmente e exigia que, ao fim de uma semana, houvesse finalizado a leitura de um deles (Exemplo: Essa semana vou estudar direito civil, e, dentre minhas tarefas da semana, estará a leitura COMPLETA do CC/02).
3º passo – Reservava fins de semana ao estudo da jurisprudência, por considerar a parte mais palatável do estudo. Acumulava informativos (enquanto estudava letra de lei e relia incessantemente meus cadernos no decorrer das semanas) e, quando atingia aproximadamente sete informativos acumulados de cada tribunal, procedia à leitura dos sete.

Assim, mantive a roda girando, contemplando, de forma simultânea, todos os pilares fundamentais que constituem origem das questões cobradas em concurso público, e é precisamente por isso que o método foi perfeito para meus objetivos.

Porém, também é preciso testar a metodologia e compreender de que maneira os temas são cobrados. Por isso, após adaptação completa à rotina que havia montado, inseri simulados no meu planejamento, fazia questões de prova e anotava que espécies de questões eu errava mais (Letra de lei, doutrina/conhecimento sistematizado ou jurisprudência) e, evidentemente, reforçava o estudo sobre o que eu mais errava.

Aos poucos, fiquei blindado contra diversos tipos de questões de prova e passei a me classificar para a segunda fase em quase todos os certames. Bastou manter o método com resiliência, e as aprovações apareceram, dentre elas, a que me permitiu ingressar na carreira almejada: a Advocacia-Geral da União.

Espero que esse artigo tenha alcançado seu humilde objetivo: servir como um norte para quem está começando, ou para quem já começou, mas acredita que não está na trilha correta. Contem conosco!

Forte abraço.

Grupo Cereja

Autor : Iuri Quadros


homem procrastinando

Procrastinação: o que é, quais são as causas e como vencer essa “pedra no caminho” rumo à aprovação

Procrastinação: o que é, quais são as causas e como vencer essa “pedra no caminho” rumo à aprovação

A procrastinação ou a “arte de deixar para amanhã” é uma característica inerente ao comportamento humano. Todos nós procrastinamos, escolhendo realizar atividades que nos conferem satisfação momentânea em lugar de tarefas difíceis ou complicadas, que envolvem benefícios a longo prazo.

O problema da procrastinação é o seu resultado final: sensação de ansiedade, pânico e exaustão e – o pior – fracasso no atingimento de metas altamente relevantes para a nossa vida. Ademais, ao procrastinarmos, perdemos o nosso recurso mais valioso: o tempo. Mas, se sabemos que será assim, por que procrastinamos?

A principal razão para protelarmos uma tarefa importante é a sensação de prazer imediato gerada pelo adiamento de algo que nos parece desagradável ou difícil. Muitas vezes, a procrastinação acaba virando um comportamento crônico, fruto de um ciclo vicioso alimentado por esse alívio instantâneo sentido toda vez que “empurramos com a barriga” nossas obrigações.

A procrastinação também pode ser explicada pelo medo do fracasso. Insegurança e baixa autoestima, muitas vezes, constituem sérios obstáculos à realização dos nossos sonhos. Sabemos exatamente o que precisamos fazer para alcançar as nossas metas, mas a possibilidade de frustração nos assombra e paralisa. Para evitar que o medo nos engesse, deve-se, primeiro, ganhar consciência sobre o problema e, segundo, compreender as suas causas, o que pode ser feito com a ajuda de um profissional ou com a utilização de técnicas de autoconhecimento, como a meditação.

Compreendias as causas do problema, é preciso enfrentá-lo com seriedade. A melhor maneira de evitar o comportamento procrastinatório é realizar um planejamento sério, eficiente e consistente como forma de administrar e otimizar o seu tempo. Aprender a se planejar, listando e classificando pelo critério de prioridade suas tarefas, é, sem dúvidas, a chave-mestra contra a procrastinação. Mas não é só.

É essencial, também, que se mentalizem sempre os resultados e sentimentos futuros e positivos da tarefa em questão, bem como as consequências e emoções negativas (ansiedade, culpa, frustração…) que serão geradas pela não realização daquela obrigação. Reconhecer que adiar uma tarefa necessária promoverá mais malefícios que benefícios lhe trará a racionalidade e a clarividência necessárias para vencer a tentação de procrastinar.

Outra dica valiosa contra a procrastinação é estabelecer recompensas para que a realização de suas metas diárias também gerem prazeres imediatos e concretos. A recompensa pode ser um banho relaxante, uma refeição especial, assistir a uma série ou filme, uma saída com os amigos ou qualquer outra coisa que lhe traga satisfação.

É igualmente essencial que sejam identificados e devidamente controlados ou eliminados todos os gatilhos de autossabotagem e distração como, por exemplo, uso exagerado de celular. Defina limites diários para uso de redes sociais e tente deixar o telefone longe do seu alcance de visão durante a realização da atividade, como nos períodos de estudo. Outro mecanismo que pode ativar seu comportamento procrastinador é se deixar influenciar pela negatividade de discursos derrotistas de terceiros. Busque apenas estar com amigos e familiares que estimulem o seu desenvolvimento e evolução, numa rede de apoio e incentivo recíproco que favoreça a realização dos seus objetivos.

Na maioria das pessoas, a procrastinação é crônica. Então, vá com calma, seja paciente e não espere “virar a chave” de uma hora para outra. O mais importante é não depositar apenas na sua força de vontade a esperança de realização de suas metas. Rotina, planejamento, consistência e segurança emocional são instrumentos muito mais sólidos e seguros contra a procrastinação do que apenas o seu desejo de mudança- que é necessário, mas pode ser facilmente vencido por impulsos procrastinadores se você não estiver devidamente blindado por bons hábitos.

Autora : Luiza Vereza